AGENDA


NOVEMBRO

A Terra da Paz

16

NOVEMBRO

Não recomendado para menores de 16 anos

sábado

15:30

A Terra da Paz

A vivência entre dois refugiados muda, a perspectiva se altera conforme mudamos o olhar. A peça traça o caminho e a situação, o passado, as esperanças, os sonhos encontrados em grandes grupos fugindo da realidade difícil, à procura de melhores condições, condições humanas de vida. Baseado na obra A Cruzada das Crianças, de Bertolt Brecht, A Terra da Paz expõe visões paralelas de pessoas refugiando-se em terras estranhas, diferentes daquilo que conhecem como casa. Mesmo assim, ainda procuram um novo lar, enfrentando, cada qual da sua forma, as dificuldades de estar inserido em novos contextos.<br /><br />O tema Movimentos Migratórios foi escolhido como eixo condutor da criação dos espetáculos da edição 2019 do projeto Cena Livre. Este é o resultado do curso Múltiplas Linguagens, do Núcleo de Artes Cênicas (NAC) do SESI-SP, cujo objetivo é oferecer aos seus participantes a vivência no processo de montagem de uma peça teatral. Neste ano, o viés de criação direcionou o olhar para as condições de migração e os deslocamentos humanos, e teve como ponto de partida a dramaturgia universal. Tragicomédia, Adulto. 60 min.<br /><br />Direção: Fátima Campideli | Assistente de direção: Fabricio Policarpo | Roteiro: Coletivo | Texto: Inspirado no livro de Bertolt Brecht, A Cruzada das Crianças | Iluminação: Almir Fino | Elenco: Debson Feliciano, Fabricio Policarpo, Haroldo Jesus<br />dos Santos, Jairo Moreira, Marcelly Carmelino, Mariana Bitencourt, Marta Graciano, Matheus Rodrigues, Michelle Chagas, Rafael Brazão, Richard Washington, Rosangela Policarpo, Nathalia Monteiro e Thiago da Silva

Tragicomédia

No alto das ondas não se pode plantar cercas

16

NOVEMBRO

Não recomendado para menores de 12 anos

sábado

18:30

No alto das ondas não se pode plantar cercas

Cenas curtas levam o espectador a refletir sobre vidas e sonhos perdidos em grupos de refugiados<br />Muros e cercas separam seres humanos, segregam, distanciam pessoas umas das outras, física ou metaforicamente. O que é levado em conta para dignificar alguém a um lado desse muro? Quais diferenças repelem uns aos outros? Quais semelhanças repudiam e nos separam? Por que não aceitamos divergências culturais e perseguimos quem vem de longe? Somos todos tão diferentes assim? Como o próprio texto diz “...o futuro deles já está condenado, mas não o presente – talvez”...quais serão as respostas a questão dos movimentos migratórios que acontecem agora no mundo?<br />No alto das ondas não se pode plantar cercas usou como referência a obra Migraaantes ou Tem Gente Demais Nessa Merda de Barco ou O Salão das Cercas e Muros de Matéi Visniec, O espetáculo explora cenas comuns em grupos de refugiados, migrando pela sobrevivência. O Núcleo lança luz sobre a exploração, tráfico, miséria, fome, distância, perseguição, esperanças, sonhos, a busca constante por realidades melhores ou justas.<br />O tema Movimentos Migratórios foi escolhido como eixo condutor da criação dos espetáculos da edição 2019 do projeto Cena Livre. Este é o resultado do curso Múltiplas Linguagens, do Núcleo de Artes Cênicas (NAC) do SESI-SP, cujo objetivo é oferecer aos seus participantes a vivência no processo de montagem de uma peça teatral. Neste ano, o viés de criação direcionou o olhar para as condições de migração e os deslocamentos humanos, e teve como ponto de partida a dramaturgia universal.<br /><br />Tragicomédia, 60min.<br />Direção: Fátima Monis | Dramaturgia: adaptação livre do texto Migraaantes ou Tem Gente Demais Nessa Merda de Barco ou O Salão das Cercas e Muros, de Matéi Visniec, Elenco: Anna Cris, Elcio Lopes, Gabriele Soares, Geovana Roncato Vitti, Kimberly Ohana, Regis Burato Villas Boas e Valdir da Fonseca | Iluminação: Attilio de Andrade e Fátima Monis | Operação de Aúdio: Gabriel Penachionni | Sonoplastia: Núcleo de Artes Cênicas | Figurino: Núcleo de Artes Cênicas<br />

Tragicomédia